Enxaqueca: Maior Risco De Doença Cardíaca?

de Acordo com uma nova pesquisa, pessoas que sofrem de enxaqueca têm um risco maior de desenvolver doenças do coração, mas a culpa não pode ser dos seus genes.

Os pesquisadores levaram em consideração dois grandes estudos que identificaram as variantes genéticas responsáveis por doenças do coração, e a enxaqueca.
A primeira pesquisa envolveu a 20.000 pessoas afetadas por enxaqueca, e 55.000 que sofria de fortes dores de cabeça.
O segundo estudo envolveu 21.000 pessoas com problemas de coração, e de 63.000 tinha.

Os cientistas, liderados pela dra. Aarno Palotie, do Broad Institute, do MIT e de Harvard, em Boston, têm procurado descobrir as variantes genéticas que estão presentes tanto em pessoas com enxaqueca e pessoas com doenças do coração.

Mas não foi possível encontrar variações que accomunassero enxaqueca com aura e problemas de coração – mesmo se há evidências de que estas pessoas têm maior risco de doença cardíaca em comparação com aqueles que sofrem de enxaqueca sem aura.

L’enxaqueca sem aura e problemas de coração, no entanto, eles compartilham algumas variações genéticas em comum.
Mas de acordo com um estudo publicado em 2 de julho de Neurologia, Genética, estas variantes genéticas parecem ajudar a proteger contra riscos cardíacos.

“Na prática, as pessoas com enxaqueca sem aura, parecem ter um geneticamente menor risco de desenvolver doenças do coração.”, disse o dr. ass Anne Ducros, da Universidade de Montpellier, na França, que escreveu um editorial sobre a pesquisa, publicada recentemente pela Academia Americana de Neurologia.

“Agora nos resta entender por que as pessoas com enxaqueca, que são nascidos com fatores genéticos que os protegem de doenças do coração, eles podem ser em maior risco para problemas cardíacos.”, disse Ducros.

Artigo similar:  Herpes Genital: testes de triagem não recomendado para HSV

Provavelmente, outros fatores genéticos podem estar envolvidos em o’aumento do risco de problemas cardíacos em pessoas com enxaqueca, acrescentou Ducros. Outros não-fatores genéticos podem influenciar o risco para o coração, como a l’obesidade, falta de exercício, depressão e tabagismo.

© REPRODUÇÃO RESERVADOS