Uma em cada quatro mortes de jovens europeus, está relacionada com o consumo de álcool, segundo especialistas.

MADRID (EUROPA PRESS), Uma em cada quatro mortes de jão de jovens na Europa está relacionada com o consumo de álcool. Así se revelou hoje, durante a presentaci não de uma guéboa práctica clínica para facilitar o médico de Bom não Primário o tratamento dos casos que chegam à sua pergunta. Impulsionado pela OMC e patrocinado pela Merck Genéricos, o manual foi elaborado por mêtraduzido do ensino Fundamental e psiquiatras que contribuíram com sua experiência no tratamento deste tipo de dependências.

A guçhá hincapiê em as não juvenil, onde o consumo de álcool está a registar uma grande penetraci não. O doutor João José Rodríguez. Sendín, secretário-geral da Intençatilde; o Méregistro Colegiado, destacadasã o que entre os escolares espaço oles, a idade de início é sitúdos 13,6 aças. Na opinião do perito, no entanto, influenciado "a permissividade excessiva e uma tolerância mal-entendida e, por outro lado, a promoção social das intoxicações de fim-de-semana". Os especialistas dizem que um dos problemas que levanta o tratamento do alcoolismo é a dificuldade de realizar um diagnóstóstico precoce, já que o paciente costuma subtrair importância ao consumo de álcool ou até mesmo negá-lo. Em outras ocasiões, a pessoa que recorre à consulta não relaciona os sãntomas que apresenta com o consumo de álcool. Según o doutor Rodríguez. Sendín, a destruiçatilde; o méregistro "não está suficientemente sensibilizada, por estar imersa na mesma cultura que promove o seu consumo de". Neste sentido, explicã o que para a realizaci não de uma história clínica de um paciente com problemas de alcoolismo devem explorar as questões relacionadas com o seu ambiente. "Quanto maior freqüência de consumo, maior graduaci não da bebida e más jovem for o indivíduo que consome o álcool, maior será a deterioração orgânico e psíquico e a intensidade da dependência", disse.

Artigo similar:  O HIV, a cada ano, 4 mil novas infecções